11/01/2017

TIPOS DE VITRINES: ESCOLHA A MELHOR PARA SUA LOJA

Vitrina Renner
O elemento mais importante da fachada da loja é sem dúvida a vitrina. Ela possui funções importantes que vão além de expor produtos. É ela quem traduz para o consumidor a identidade e posicionamento da marca. Mas qual o tipo ideal de vitrina para cada loja?

Vamos falar aqui sobre os quatro tipos mais comuns de vitrinas de fachadas ou vitrinas externas:
  • Vitrina aberta
  • Vitrina semi-aberta
  • Vitrina fechada. 
  • Lojas sem vitrinas
Vitrine ou vitrina? Vitrine vem do original francês, vitrina é a nossa tradução. Qual é o certo? Tanto faz...
Vitrina aberta


Caracteriza-se por não possuir nenhum nenhum elemento que delimite seu espaço ela está integrada ao interior da loja. Este tipo de vitrina possui como vantagem principal impulsionar as vendas, já que o consumidor tem uma visão completa do interior da loja o que ela tem a oferecer.

Porém o cuidado com o Visual Merchandising tem que ser redobrado: tudo tem que estar impecavelmente arrumado e saltando aos olhos de quem está diante da vitrina e jamais a zona de caixa deve ser posicionada em local visível. Este pequeno detalhe afasta o consumidor!

Outro ponto importante: a vitrina aberta facilita o contato direto com os produtos então podemos dizer que em lojas infantis deve ser evitada, criança é criança e sua saudável curiosidade não tem limites.

Em alguns projetos o espaço da vitrina é sutilmente delimitado com um piso diferente do restante da loja ou uma pequena elevação que dê maior destaque aos produtos, nunca deve se situar no mesmo nível da loja.


Exemplo de vitrine aberta da loja COACH
Observe que nesta imagem de vitrina aberta há uma elevação do nível da calçada (mas poderia ser do shopping ou galeria) e também está acima do nível do interior da loja. Os poucos expositores e adereços não comprometem a visão interna. Note ainda que na parede de fundo o VM trabalhou uma exposição com poucos produtos e pouca variação cromática, criando uma harmonia perfeita com os tons de vermelho das peças expostas na vitrina. 

Neste tipo de vitrina vale a regra: menos é sempre mais. Jamais transforme a vitrina em um mostruário de todo o estoque disponível. Guarde surpresas para o consumidor, trocando as peças semanalmente ou quinzenalmente, apresentando as novidades aos poucos.

Vitrina semi-aberta

Este tipo de vitrina possui plano de fundo mas não veda totalmente a visão da loja. São comuns o uso de painéis simples ou com design que remeta ao tema da vitrina, banners com material institucional, enfim, qualquer elemento que faça uma separação sutil entre o interior e o espaço destinado à exposição. Por possui esta característica, a vitrina semi-aberta pode variar de profundidade conforme os produtos a serem expostos. Elas são móveis e aí está uma grande vantagem!  

Mas aqui vai uma regrinha: nunca transforme o plano de fundo em expositor! Ele pode conter prateleiras no caso de lojas de calçados e bolsas, ou de pequenos objetos, desde que sejam estes os únicos espaços para expor os produtos.

Outra regrinha básica: em qualquer vitrina jamais coloque produtos diretamente no piso: passa a noção de pouco valor, sempre há algum elemento decorativo que pode ser utilizado como apoio.

http://retaildesignblog.net/2016/10/24/subway-2016-windows-by-coach-booma-group-new-york-city/
Vitrina semi-aberta: visão parcial do interior da loja.
Esta vitrina semi-aberta possui laterais e fundo e teto, mas há uma área livre permitindo a visão interna.  Os produtos menores (complementares) são valorizados em um plano mais elevado e pendurado.

Vitrina fechada

São projetadas como uma caixa e possuem altura, largura e profundidades delimitadas e fixas. São perfeitas para construção de vitrinas cenográficas, onde se reproduz um cenário temático de acordo com a coleção. Muito utilizadas no segmento premium ou luxo, possibilitando uma iluminação mais dramática, com efeitos de luz e sombra que valorizam os produtos, além de deixa-los fora do alcance do toque e manuseio.

As vitrinas fechadas possibilitam a exploração máxima da criatividade do VM que pode usar todos os elementos (fundo, laterais e vidraça) para passar a mensagem pretendida. Mas só é aconselhável em lojas de médias ou grandes dimensões. Em lojas pequenas inibe a entrada do consumidor.

Vitrina fechada com iluminação dirigida nas laterais e focos direcionados no teto.
Observe que nesta vitrina fechada não há nenhum contato visual com o interior da loja, a cenografia e os produtos são mantidos fora do alcançe dos consumidores.

Lojas sem vitrinas

Há uma tendência entre determinados segmentos do varejo de moda em não delimitar um espaço para vitrinas. A própria loja já é uma vitrina. Já fizemos um post sobre o assunto e vale dar uma conferida.

Como última informação antes de escolher a vitrine ideal para sua loja saiba: elas devem ocupar 60% da fachada os 40% restantes são destinados ao acesso do consumidor. Hoje preserva-se a noção da acessibilidade, portanto ao calcular a largura da porta, considere os cadeirantes e consumidores com carrinhos de bebê. 

Gostou das nossas dicas? Tem mais alguma dúvida sobre o assunto? No próximo post continuaremos a falar sobre vitrinas dando dicas sobre os principais fundamentos para montar uma vitrine que vende. 


Créditos das imagens:
0'/>