HISTÓRIA DO VISUAL MERCHANDISING

 

Imagem de loja antiga com exposição na calçada
Visual Merchandising em loja de alimentos 

No post anterior falamos sobre os conceitos de VISUAL MERCHANDISING e sua importância no varejo moderno. Mas como surgiu o VISUAL MERCAHNDISING? Em que época as técnicas começaram a ser aplicadas? Este é o tema de nossa postagem de hoje.

 

Para entender como surgiu o Visual Merchandising precisamos fazer uma viagem no tempo quando o merchandising dava os primeiros passos na Idade Média. As cidades começaram a se formar e os comerciantes com gritos e palmas chamavam a atenção dos clientes anunciando o que vendiam no interior das lojas.


Depois os produtos passaram a ser expostos nas ruas em mesas e tabuleiros já de forma organizada, facilitando a visibilidade de quem passava. A Revolução Industrial permitiu a produção em larga escala dos produtos e o crescimento do varejo não demorou a acontecer. Surgem então as "General Stores", lojas que vendiam de tudo um pouco: tecidos, máquinas, implementos agrícolas, alimentos etc.

Lojas de departamento: revolução no merchandising 

 

A diversidade dos produtos vendidos incentivou o nascimento de lojas especializadas mas o grande acontecimento da época foi a primeira loja de departamento em Paris: a Le Bon Marchè, em 1850. Contando com uma estrutura gigantesca este novo formato permitia a exposição dos produtos por categorias.


Imagem da Loja Le Bon Marchè- Paris
Le Bon Marchè- Paris

Le Bon Marchè- Paris


Os Estados Unidos equipados com maquinários modernos, passaram também a produzir em larga escala e adotaram o modelo de lojas de departamento. A Sears foi construída em Chicago em 1886. O mesmo aconteceu em Londres com a Selfridgs causando grande impacto com sua arquitetura e estrutura interna com os produtos expostos por categorias. Aqui a Casa Masson (1871), Pernambucanas (1906) e Mesbla (1913) foram as pioneiras no setor, abrindo suas portas nos grandes centros urbanos da época.


Imagem da Loja Selfridgs- Londres
Selfridgs- Londres

As primeiras vitrinas

 

Nesta época a tecnologia para fabricação de vidros em grandes dimensões, foi o ponto de partida para as lojas abrirem espaços nas fachadas, criando assim as vitrinas. Mais uma vez, as lojas de departamento foram as primeiras a adotar esta novidade. Desta forma, a exibição dos produtos de forma artística, chamava a atenção do público atraindo-os para o interior das lojas. 



Imagem de vitrina com exposição artística Séc. XIX
Vitrines final do Século XIX

Até então apenas as vitrinas possuiam exibições cenográficas. No interior das lojas as mercadorias ficavam em prateleiras atrás dos balcões. Mas as vendas dos produtos das vitrinas cresciam e os lojistas começaram a inovar, exibindo os produtos na área de vendas, proporcionando ao cliente ver de perto, tocar, e escolher o que desejava.  Nascem assim as primeiras técnicas de merchandising.


Visual Merchandising no interior da loja

Vitrinas em diversas épocas

 

Nestas imagens abaixo, algumas vitrinas antigas. Apesar de não possuírem datas, podemos identificar sua época, pelo estilo dos produtos, principalmente do vestuário.






Visual Merchandising atual

 

Até os anos 1980, as vitrinas eram os únicos espaços que mereciam ambientações artísticas e cenográficas. No interior das lojas os produtos eram expostos sem nenhum atrativo. A crise do petróleo provocou uma queda nas vendas e a solução encontrada pelos varejistas, foi levar os vitrinistas para a área de vendas e ali aplicarem as mesmas técnicas de exposição, criando pontos focais, iluminação, cenografia a fim de criar um ambiente conectado com o tema da vitrina. Assim surge o conceito de VISUAL MERCHANDISING. 


Hoje vivemos a era da experiência e muitas são as estratégias empregadas para criar uma atmosfera agradável, estimulando os sentidos do consumidor através de aromas, música ambiente, temperatura agradável etc.. O marketing sensorial ou experiencial ganha força e as emoções são cada vez mais pautas de estudos (neuro marketing) para descobrir como encantar o consumidor moderno, que segundo os estudos feitos, são cada vez menos fieis a marcas, sobretudo pela facilidade de obter informações. Afinal, hoje o mundo está a um clique na palma de nossas mãos.

Um exemplo do que foi abordado está na evolução das pioneiras Le Bon Marchè em Paris e a Selfridgs em Londres, citadas no início deste artigo. Possui o tão falado no meio do marketing: "o fator UAU!!!"

Le Bon Marchè

Fachada atual da loja le Bon Marché em Paris

Imagem do interior da loja Le Bon Marché

Selfridgs


Imagem da fachada da loja Selfridgs em Londres

Imagem do interior da loja Selfridgs em Londres



 

Gostou do nosso artigo? Conhece a Le Bon Marchè ou a Selfridgs? Conte sua experiência por lá nos comentários. 

 

 

Créditos das imagens:

http://tinyurl.com/k423zwv      

http://tinyurl.com/mhahk5j

 

 

 






Nenhum comentário:



Topo